Paulo Affonso Leme Machado

Professor de Direito Ambiental na Universidade Metodista de Piracicaba – SP – Brasil. Prêmio de Direito Ambiental Elizabeth Haub (Alemanha). Doutor em Direito pela PUC-SP. Doutor Honoris Causa pela Vermont Law School (USA) e pela Universidade Estadual Paulista (Brasil). Professor Convidado na Universidade de Limoges (1986-2003). Mestre  pela Universidade Robert Schuman (França). Chevalier de La Légion d´Honneur. Promotor de Justiça (aposentado). Autor do livro Direito Ambiental Brasileiro (22ª ed.)


EC Rio de Janeiro (RJ) 06/05/2011 O advogado Paulo Affonso Leme Machado, especialista em direito ambiental, critica mudanças no Código Florestal. Foto Fábio Mendes / Unimep
Foto Fábio Mendes / Unimep

“O IBAP foi estruturado há vinte anos. Na época de sua criação, a Constituição da República tinha seis anos de idade. Era preciso consolidar ideias tão arduamente inseridas na Lei Maior do Brasil.

A nova associação veio atuar num terreno que já havia recebido sementes, que precisavam ser cuidadas – o terreno dos direitos difusos e coletivos.

O IBAP conseguiu associar o idealismo de muitos Procuradores de Estado e dar efetividade à sede de justiça de quem serve o Estado, como um serviço à Sociedade. O IBAP mostrou uma face dos direitos difusos e coletivos, pois a outra face jurídica estava sendo mostrada pelo Ministério Público Federal e Estadual.

Tive oportunidade de participar de inúmeros congressos e seminários promovidos pelo IBAP. Em todos eles respeitou-se a pluralidade das opiniões e a dignidade de seus participantes. Além disso participei, por alguns anos, como um modesto coeditor da Revista de Direitos Difusos.

Memorável foi a presença do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública na análise das propostas de uma nova legislação florestal!

Em todos grupos necessita-se de um líder. Guilherme José Purvim de Figueiredo – Procurador do Estado de São Paulo e Doutor em Direito – surgiu como um aglutinador das reivindicações de informação e participação nas áreas do direito ambiental e da probidade administrativa. 

Faço meus votos para que as sementes plantadas continuem a merecer o cuidado dos associados do IBAP, para que as árvores que já surgiram não sequem pela inércia dos juristas e nem sejam cortadas pelo desmando daqueles que primam pelo egoísmo e pelo lucro sem limites. Que o encantamento pela vida de todos os seres vivos continue a ser a bússola do IBAP.”