Carlos Frederico Marés de Souza Filho

Doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná (1998 – Direito dos Povos Indígenas). É procurador do Estado do Paraná desde 1981. Integra o Programa de Mestrado e Doutorado da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, onde é professor titular de Direito Agrário e Socioambiental. Foi Secretário de Cultura de Curitiba e Presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Procurador Geral do Estado do Paraná, Presidente da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), Procurador Geral do INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). É membro do Conselho Diretor do Instituto Latinoamericano de Servicios Legales Alternativos-ILSA (Bogotá), Membro da Diretoria do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública, Sócio fundador do Instituto Socioambiental-ISA. Foi exilado político no Uruguai, Chile, Dinamarca e São Tomé e Príncipe (Africa), de 1970 a 1979. Tem sido advogado de povos indígenas, desde 1980.


mares

“Ser advogado público é muito mais do que ocupar um cargo admitido por concurso. É ter optado por ser advogado de boas causas! Não é exatamente defender o Estado, mas defender a ação política finalística do Estado. De fato, o Estado deve ser o realizador das políticas públicas em sua pureza, quer dizer, políticas que interessam ao povo, que sirvam ao povo. Assim, o advogado público é o que defende institucionalmente as políticas públicas relevantes para o povo. Pode haver quem não se dê conta dessa relevância e dessa posição política frente ao Estado, mas com certeza a maioria dos advogados públicos pensam e sabem que é assim. Por isso o INSTITUTO BRASILEIRO DE ADVOCACIA PÚBLICA -IBAP, que completa 20 anos, reúne em associação os advogados públicos que tem essa marca de consciência e participação política em defesa dos direitos da cidadania e dos interesses populares. Por isso também essa é a associação profissional que considero minha, que tem lado na vida, que não se conforma e não se resigna com os erros, males e injustiças, que luta nos Tribunais e fora deles, que se emociona com a complexidade da natureza e com a simplicidade humana, que vive o coletivo e a solidariedade. Por isso, ao completar 20 anos, o IBAP está mais ainda mais presente na vida dos advogados públicos conscientes de sua missão na sociedade.”