Belisário dos Santos Junior

Procurador autárquico aposentado. Foi Secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.


 

photo

Lembro-me dos primeiros tempos do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública. Poucos procuradores numa sala pequena do bairro da Liberdade. Providencialmente perto da Procuradoria e do Fórum João Mendes. Em meados dos anos 90 ali fui convocado pelo Guilherme Purvin, como procurador autárquico temporariamente ocupando a cadeira de titular da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania. Associei-me de imediato. A SJDC tinha muito que ver com o IBAP. Poucos recursos e projetos muito ambiciosos em favor dos direitos humanos e da cidadania. A generosidade do IBAP logo se evidenciou. Os dirigentes do IBAP nada pediram para o Instituto. Queriam apoio para a União de Mulheres de São Paulo e para o Projeto de formação de Promotoras Legais Populares de que o IBAP era um dos incentivadores. Ofereci os espaços da SJDC para o curso, que ali teve sede pelo menos enquanto estive à frente da Secretaria.  Durante muitos anos fui professor do curso, falando sobre princípios constitucionais, cativado que fiquei por tão apaixonante projeto.  Olho hoje para o Instituto, penso em todas as obras que produziu, relembro todos os congressos realizados, as campanhas pelos direitos humanos, o prestígio, internacional inclusive, angariado em anos de trabalho duro e eficiente e me convenço que às grandes ideias não basta o bom propósito de seus formuladores, nem que tenham nascido da Liberdade, ou mesmo que tenham consistência. É preciso que haja gente de fibra, com gana, com generosidade, que as ponham de pé. Essa é a homenagem que, com emoção,  rendo aos dirigentes e colaboradores do IBAP em toda sua história.